As variações linguísticas são as mudanças que a língua apresenta, devido à sua capacidade de se transformar e de se adaptar. Ocorrem variações na língua porque a língua é usada por falantes inseridos numa sociedade complexa, formada por diferentes grupos sociais, com diferentes hábitos linguísticos e diferentes graus de escolarização.

O uso faz a regra e os falantes usam a língua de modo a suprir suas necessidades comunicativas, adaptando-a conforme suas intenções e necessidades. Assim, a língua portuguesa encontra-se em constante alteração, evolução e atualização, não sendo um sistema estático e fechado.

Tipos de variação linguística

As variações linguísticas ocorrem principalmente nos âmbitos geográficos, temporais e sociais.

Variação linguística regional (diatópica)

As variações diatópicas, também chamadas de variações regionais ou geográficas, são variações que ocorrem de acordo com o local onde vivem os falantes, sofrendo sua influência. Este tipo de variação ocorre porque diferentes regiões têm diferentes culturas, com diferentes hábitos, modos e tradições, estabelecendo assim diferentes estruturas linguísticas.

Exemplos de variações diatópicas

Diferentes palavras para os mesmos conceitos:

  • aipim, mandioca, macaxeira;
  • abóbora, jerimum, moranga;
  • sacolé, dindim, geladinho.

Diferentes sotaques, dialetos e falares:

  • dialeto caipira;
  • dialeto gaúcho;
  • dialeto baiano.

Reduções de palavras ou perdas de fonemas:

  • véio (velho);
  • muié (mulher);
  • cantá (cantar);
  • enxovar (enxoval).

Variação linguística histórica (diacrônica)

As variações diacrônicas, também chamadas de variações históricas, são variações que ocorrem de acordo com as diferentes épocas vividas pelos falantes, sendo possível distinguir o português arcaico do português moderno, bem como diversas palavras que ficam em desuso.

Exemplos de variações diacrônicas

Palavras que caíram em desuso:

  • vossemecê;
  • botica;
  • comprir.

Grafias que caíram em desuso:

  • flôr;
  • pharmácia;
  • seqüencia.

Vocabulário e expressões típicas de uma determinada faixa etária:

  • Você é um chato de galocha!
  • Ele é maior barbeiro.
  • Vai catar coquinho.

Variação linguística social (diastrática)

As variações diastráticas, também chamadas de variações sociais, são variações que ocorrem de acordo com os hábitos e cultura de diferentes grupos sociais. Este tipo de variação ocorre porque diferentes grupos sociais possuem diferentes conhecimentos, modos de atuação e sistemas de comunicação.

Exemplos de variações diastráticas

Gírias próprias de um grupo com interesse comum, como os skatistas:

  • Prefiro freestyle.
  • O gringo tem um carrinho irado.
  • O silk do skate tá insano.

Jargões próprios de um grupo profissional, como os policiais e militares:

  • Ele deu sopa na crista.
  • Vamos na rota dele.
  • Não mexe com meu peixe.

Variação linguística situacional (diafásica)

As variações diafásicas, também chamadas de variações situacionais, são variações que ocorrem de acordo com o contexto ou situação em que decorre o processo comunicativo. Há momentos em que é utilizado um registro formal e outros em que é utilizado um registro informal.

Exemplos de variações diafásicas

Linguagem informal, considerada menos prestigiada e culta, usada quando há familiaridade entre os interlocutores da comunicação ou em situações descontraídas.

  • Fala, garoto! Beleza?
  • Rola um cinema hoje?
  • Cadê Pedro? Cê viu ele?

Linguagem formal, considerada mais prestigiada e culta, usada quando não há familiaridade entre os interlocutores da comunicação ou em situações que requerem uma maior seriedade.

  • Bom dia! Tudo bom com você?
  • Querem ir ao cinema hoje?
  • Onde está Pedro? Você viu-o?

Saiba mais: Características da linguagem formal e da linguagem informal

Variação linguística e preconceito linguístico

O preconceito linguístico surge porque nem todas as variações linguísticas usufruem do mesmo prestígio. Algumas são consideradas superiores, mais corretas e cultas e outras são consideradas menos cultas ou mesmo incorretas.

Preconceito linguístico ocorre sempre que uma determinada variedade é referida com um tom pejorativo e depreciativo, estando associada a situações de deboche ou até de violência, o que contribui para a exclusão social de diversos indivíduos e grupos.

É urgente compreender e aceitar que todas as variedades linguísticas são fatores de enriquecimento e cultura, não devendo ser encaradas como erros ou desvios.

Flávia Neves
Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.