Os níveis da linguagem, também chamados de níveis da fala, são os diferentes registros em que a linguagem pode ser utilizada pelos falantes, conforme o contexto comunicativo, o nível de escolarização dos falantes, a interação com diferentes interlocutores,…

Existem dois níveis da linguagem principais: o culto e o coloquial.

O registro culto, chamado de norma culta, linguagem formal e registro formal, é usado na linguagem escrita, na escola e no trabalho, na comunicação social, em situações que requerem uma maior seriedade, quando não há familiaridade entre os interlocutores da comunicação. 

O registro coloquial, também chamado de linguagem coloquial, linguagem informal e linguagem popular, é a linguagem falada em situações cotidianas de comunicação e em conversas descontraídas entre familiares, amigos, conhecidos, vizinhos,...,

Características da linguagem coloquial

  • Usada em situações informais ou familiares;
  • É uma linguagem falada, espontânea e despreocupada;
  • Responde a necessidades de comunicação imediata do dia a dia;
  • Aceita a existência de algumas incorreções linguísticas;
  • Há um maior relaxamento em relação às regras gramaticais;
  • Apresenta um vocabulário simples e expressões populares;
  • Ocorre o uso de gírias e de palavras não dicionarizadas;
  • Utiliza estruturas sintáticas simples;
  • Permite a liberdade de expressão do falante;
  • Está sujeita a variações regionais, culturais e sociais.

Veja também: Exemplos de uso da linguagem coloquial.

Características da norma culta

  • Usada em situações formais, principalmente na escrita;
  • É uma linguagem planejada, cuidada e elaborada;
  • Privilegia a correção gramatical;
  • Apresenta um vocabulário rico e diversificado;
  • Utiliza estruturas sintáticas complexas;
  • Ensinada na escola e usada na comunicação social.

Veja também: Exemplos de uso da linguagem formal e informal.

Outros níveis de linguagem

Além dessa divisão principal entre linguagem culta e linguagem coloquial, existem outras classificações de níveis de linguagem, conforme diferentes autores, como:

  • nível regional;
  • nível vulgar;
  • nível técnico ou profissional;
  • nível literário ou artístico.

Nível não é hierarquia

Apesar de classificados em níveis, não significa que haja uma hierarquia entre a linguagem formal e a linguagem informal, ou seja, uma não pode ser considerada melhor ou mais importante do que a outra.

Um falante que saiba adaptar o seu discurso às diferentes situações comunicativas e aos diferentes interlocutores irá usar, necessariamente, a linguagem culta e a linguagem coloquial no seu dia a dia, como linguagens complementares. Este é um exemplo de variação situacional, ou seja, uma variação linguística em função do contexto.

Existem outras variações linguísticas que ocorrem conforme alterações geográficas, temporais e sociais, como variações regionais, variações históricas e variações sociais.

Veja também: Tipos e exemplos de variações linguísticas.
 

Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.