Devemos usar porque (junto e sem acento) quando se tratar de conjunção subordinativa causal ou explicativa, que pode ser substituída por: visto que, uma vez que e por causa de que, entre outras.

Exemplos:

  • Choro porque machuquei o pé.
  • Choro visto que machuquei o pé.
  • Ela não foi à escola porque estava chovendo.
  • Ela não foi à escola uma vez que estava chovendo.

Devemos usar porquê (junto e com acento) quando se tratar de um substantivo masculino, podendo ser substituído por: causa, motivo, razão. Aparece quase sempre junto de um artigo definido ou indefinido, podendo também aparecer junto de um pronome ou numeral.

Exemplos:

  • Todos riam muito e ninguém me dizia o porquê.
  • Todos riam muito e ninguém me dizia a razão.
  • Gostaria de saber os porquês dela ter sido mandada embora.
  • Gostaria de saber os motivos dela ter sido mandada embora.

Devemos usar por que (separado e sem acento) quando se tratar da preposição por seguida do pronome relativo ou interrogativo que. Enquanto pronome relativo, pode ser substituído por: por qual ou pelo qual. Enquanto pronome interrogativo, pode ser substituído por: por qual motivo ou por qual razão.

Exemplos:

  • Não achei o caminho por que passei.
  • Não achei o caminho pelo qual passei.
  • Por que você não foi dormir?
  • Por qual razão você não foi dormir?

Devemos usar por quê (separado e com acento) quando se tratar da preposição por seguida do pronome interrogativo quê, quando este for tônico e aparecer no final da frase, seguido de ponto final ou ponto de interrogação. Pode ser substituído por: por qual motivo ou por qual razão.

Exemplos:

  • Você não comeu? Por quê?
  • Você não comeu? Por qual motivo?
  • O menino foi embora e nem disse por quê.
  • O menino foi embora e nem disse por qual razão.