A paronomásia (ou paranomásia) é uma figura de linguagem caracterizada pela utilização de palavras parônimas, ou seja, palavras com significados diferentes que se escrevem e se pronunciam de forma parecida.

Exemplos de palavras parônimas:

  • acidente e incidente;
  • aferir e auferir;
  • cumprimento e comprimento;
  • descrição e discrição;
  • eminente e iminente;
  • fluvial e pluvial;
  • fragrante e flagrante;
  • geminada e germinada;
  • precedente e procedente;
  • tráfego e tráfico.

Na paronomásica ocorre a realização de trocadilhos e jogo de palavras, com diversos intuitos: aumentar a expressividade e o caráter lúdico da mensagem, introduzir uma afirmação com duplo sentido, confundir o leitor,… é um recurso muito utilizado na publicidade e em textos humorísticos.

Exemplos de paronomásia:

  • O passarinho pousou e posou, sentindo-se uma águia.
  • Se o dirigente fosse diligente, não haveria tanto incumprimento de prazos…
  • Comemos fora todos os dias! A gente até dispensa a despensa.
  • Você tem que ler muito, sobretudo se quiser escrever sobre tudo.

Exemplos de paronomásia na literatura:

  • “Com tais premissas, ele sem dúvida leva-nos às primícias.” (Padre Antônio Vieira)
  • “Exportar é o que importa.” (Delfim Netto)
  • “Sagres sagrou então a Descoberta/E partiu encoberto a descobrir.” (Miguel Torga)
Atualizado em
Flávia Neves
Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.