A concordância verbal ocorre quando o verbo se flexiona em número e em pessoa para concordar com o sujeito gramatical.

Na concordância verbal com verbos no infinitivo, pode ocorrer ou não essa flexão do verbo, havendo o infinitivo pessoal, que é flexionado, e o infinitivo impessoal, que não é flexionado.

Exemplo de concordância com infinitivo flexionado

Isso é para eu fazer?
Isso é para nós fazermos?
Isso é para eles fazerem?

Exemplo de concordância com infinitivo não flexionado

Eu vou fazer isso.
Nós vamos fazer isso.
Eles vão fazer isso.

Exemplo de verbo no infinitivo pessoal (flexionado)
(eu) encontrar
(tu) encontrares
(ele) encontrar
(nós) encontrarmos
(vós) encontrardes
(eles) encontrarem

Exemplo de verbo no infinitivo impessoal (não flexionado)
encontrar

Regras de concordância verbal com infinitivo pessoal (flexionado)

O infinitivo pessoal deverá ser usado:

Com um sujeito expresso

Há flexão do verbo sempre que há um sujeito expresso de forma clara e inequívoca, mesmo em orações reduzidas.

  • Isto é para eu ler durante o intervalo.
  • Isto é para tu leres durante o intervalo.
  • Isto é para nós lermos durante o intervalo.


Para definir o sujeito através do verbo

É feita a flexão do verbo quando se quiser definir o sujeito através da desinência verbal.

  • Acho melhor acabares o trabalho rápido. (sujeito tu)
  • Acho melhor acabarmos o trabalho rápido. (sujeito nós)


Com um sujeito plural indeterminado

Há flexão do verbo Quando há indeterminação do sujeito, sendo utilizada a 3.ª pessoa do plural.

  • Ouvi jurarem fidelidade ao novo rei.
  • Vi maltratarem os trabalhadores sem nenhum motivo.


Com sujeitos diferentes nas duas orações

É feita a flexão do verbo Quando o sujeito da segunda oração é diferente do sujeito da oração anterior, podendo este se encontrar ou não claramente expresso.

  • A professora não viu os alunos copiarem no teste.
  • O diretor mandou os empregados participarem na reunião.
  • Nossa irmã trouxe um livro para nós lermos.


Com verbo no infinitivo como sujeito

Há flexão do verbo quando um verbo no infinitivo assume a função de sujeito da oração.

  • O fazermos tudo o que é preciso às vezes é cansativo.
  • O trabalharem pouco é desmotivador.


Regras de concordância verbal com infinitivo impessoal (não flexionado)

O infinitivo impessoal deverá ser usado:

Sem um sujeito definido

Não é feita a flexão do verbo quando não houver um sujeito definido.

  • Estudar é importante!
  • Ser feliz é um bom objetivo de vida.


Em locuções verbais

Em locuções verbais, não é feita a flexão do verbo no infinitivo, porque é sempre o verbo auxiliar que concorda com o sujeito.

  • Os especialistas conseguirão estudar as características daqueles animais.
  • Ainda bem que meus pais puderam pagar minha faculdade.


Com a regência de uma preposição

Não há flexão quando o verbo no infinitivo tem regência de uma preposição, assumido a função de complemento do substantivo, do adjetivo ou do verbo na oração.

  • Foram obrigados a passar fome por causa da crise financeira.
  • Aquelas palavras são difíceis de ler.
  • Fui impedida de dar minha opinião.


Com verbos causativos e sensitivos e pronome oblíquo

Não há flexão do verbo no infinitivo com alguns verbos causativos e sensitivos (mandar, fazer e deixar, ver, sentir, ouvir) em conjunto com um pronome oblíquo átono, mesmo quando há sujeitos diferentes nas frases.

  • Vi-os correr rapidamente.
  • Mandaram-na começar a trabalhar.


Com a preposição a indicando gerúndio

Não é feita a flexão do verbo no infinitivo quando tem a regência da preposição a e assume valor de gerúndio.

  • Os meninos estão a nadar muito bem. (estão nadando)
  • Ficaram a ver o filme em silêncio. (ficaram vendo)


Com sentido imperativo

Não há flexão do verbo no infinitivo quando é usado com sentido imperativo.

  • Parar já!
  • Respeitar os mais velhos.

Concordância verbal facultativa com infinitivo impessoal ou pessoal

Em algumas situações, podem ser usados tanto o infinitivo pessoal como o infinitivo impessoal, podendo haver ou não a flexão do verbo:

Com o mesmo sujeito das duas orações

Quando o sujeito é o mesmo nas duas orações, é facultativa a escolha do infinitivo pessoal ou impessoal, mesmo que o sujeito esteja oculto. Contudo, nestas situações, há uma maior preferência dos falantes pela forma no singular.

  • Viemos para transmitir as palavras do diretor.
  • Viemos para transmitirmos as palavras do diretor.
  • Lá estarão para resolver o problema.
  • Lá estarão para resolverem o problema.


Com a voz passiva ou reflexiva

Quando o verbo se encontra na voz passiva ou na voz reflexiva, sendo um verbo pronominal ou um verbo de ligação, é facultativa a escolha do infinitivo pessoal ou impessoal. Contudo, nestas situações, há uma maior preferência dos falantes pela forma no plural.

  • Os atletas treinaram muito para se tornarem os melhores.
  • Os atletas treinaram muito para se tornar os melhores.
  • Foram informadas as decisões a serem tomadas imediatamente.
  • Foram informadas as decisões a ser tomadas imediatamente.


Com verbos causativos e sensitivos sem pronome oblíquo

Com alguns verbos causativos e sensitivos (mandar, fazer e deixar, ver, sentir, ouvir) que não aparecem em conjunto com um pronome oblíquo átono, é facultativa a escolha do infinitivo pessoal ou impessoal.

  • Deixei entrar as crianças.
  • Deixei entrarem as crianças.

Veja também: Outros casos de concordância verbal.

Atualizado em
Flávia Neves
Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.