Quando o verbo parecer vem seguido de outro verbo no infinitivo, são possíveis duas formas de concordância verbal, sendo flexionado apenas um dos verbos em cada forma.

Ou ocorre a flexão do verbo parecer em singular ou plural e não flexão do infinitivo. Ou ocorre a não flexão do verbo parecer, que se mantém na 3.ª pessoa do singular, e a flexão do infinitivo para o plural.

Exemplos com flexão do verbo parecer:

Os alunos pareciam ouvir a professora.
Helena e Paulo parecem gostar um do outro.

Exemplos com não flexão do verbo parecer:

  • Os alunos parecia ouvirem a professora.
  • Helena e Paulo parece gostarem um do outro.

A primeira forma é a considerada mais correta, sendo a mais utilizada pelos falantes da língua. A segunda forma é utilizada numa linguagem mais literária, sendo considerada pelos falantes como mais estranha e pouco habitual.

Dupla flexão: erro

O erro na conjugação do verbo parecer ocorre quando há dupla flexão, ou seja, quando erradamente há a flexão do verbo parecer e simultaneamente a flexão do verbo no infinitivo. 

Assim, sendo errado fazer a flexão simultânea dos dois verbos, as frases seguintes estão erradas:

  • Os alunos pareciam ouvirem a professora.
  • Helena e Paulo parecem gostarem um do outro.

Outra particularidade na concordância com o verbo parecer

Além das duas formas acima expostas, há outra particularidade na concordância verbal com o verbo parecer. Em orações desenvolvidas o verbo parecer deverá estar sempre escrito no singular. 

  • As luzes parece que estão piscando.
  • As crianças parece que não se machucam!

Veja também: Outros casos de concordância verbal.

Flávia Neves
Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.