O alfabeto oficial da língua portuguesa é composto por vinte e seis letras, que se encontram divididas em vogais e consoantes.

Alfabeto completo da língua portuguesa:
a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z

Vogais:
a e i o u w y

Consoantes:
b c d f g h j k l m n p q r s t v w x z

Tradicionalmente, havia apenas cinco vogais na língua portuguesa (a e i o u) e dezoito consoantes. Essa situação sofreu alteração com a entrada das letras k, y, w no alfabeto português:

  • O y é uma vogal porque representa o som [i];
  • O k é uma consoante porque representa o som [k];
  • O w é uma vogal quando representa o som [u] e uma consoante quando representa o som [v].

O que é uma vogal? O que é uma consoante?

Vogais e consoantes são fonemas, ou seja, são os sons da língua. São produzidos pelo aparelho fonador, juntamente com o ar que sai dos pulmões. O aparelha fonador é um conjunto de órgãos que permite a produção da voz. É composto pela boca, língua, palato, cordas vocais, fossas nasais, dentes,...

Quando um som é emitido com passagem livre do ar pela boca, havendo vibração das cordas vocais, é considerado uma vogal.

Quando um som é emitido com algum tipo de obstáculo à passagem do ar, que pode ser feito pela língua, pelos dentes ou pelo lábio, é considerado uma consoante.

Além disso, há outra diferença importante entre vogais e consoantes: uma vogal sozinha consegue formar uma sílaba, mesmo sem a presença de uma consoante. Já uma consoante sozinha não consegue formar uma sílaba, necessitando obrigatoriamente da presença de uma vogal na sílaba.

Classificação das vogais

As vogais podem ser classificadas conforme diferentes critérios, como a intensidade, o timbre e a zona de articulação, entre outros. Daí decorrem diversas classificações para as vogais. Seguem-se algumas:

Vogais orais:
Vogal emitida com passagem do ar apenas pela boca: lata, testa, palito.

Vogais nasais:
Vogal emitida com passagem do ar pela boca e pelas fossas nasais: lã, sim, nenhum.

Vogais abertas:
Vogal pronunciada com um timbre aberto: café, porta, cipó, fácil.

Vogais fechadas:
Vogal pronunciada com um timbre fechado: dedo, moço, ônibus, você.

Vogais tônicas:
Vogal em que recai o acento tônico da palavra, sendo pronunciada com maior intensidade: casa, boné, amigo.

Vogais átonas:
Vogal em que não recai o acento tônico da palavra, sendo pronunciada com menor intensidade: casa, boné, amigo.

Vogal e semivogal

O fonema i e o fonema u em certas situações são considerados semivogais. Isso acontece quando formam um ditongo ou um tritongo juntamente com outra vogal. As semivogais são pronunciadas de forma mais fraca e menos nítida do que a vogal, que atua como o núcleo da sílaba.

Nos ditongos, a semivogal pode estar posicionada antes ou depois da vogal.
Exemplos: caixa (a=vogal, i=semivogal); quase (u=semivogal, a=vogal)

Nos tritongos há uma semivogal antes e outra semivogal depois da vogal.
Exemplo: iguais (u=semivogal, a=vogal, i=semivogal)

Classificação das consoantes

As consoantes, tal como as vogais, também podem ser classificadas conforme diferentes critérios, como a zona de articulação, o modo de articulação e o papel da cavidade bucal e das cordas vocais, entre outros. Daí decorrem diversas classificações para as consoantes. Seguem-se algumas:

Consoantes oclusivas:
Consoante emitida com bloqueio total da saída do ar: tio, pai.

Consoantes constritivas:
Consoante emitida com bloqueio parcial da saída do ar: fio, rio.

Consoantes sonoras:
Consoante emitida com vibração das cordas vocais: gola, rua.

Consoantes surdas:
Consoante emitida sem vibração das cordas vocais: pato, faca.

Consoantes orais:
Consoante emitida com passagem do ar apenas pela boca: cama, navio, lenha.

Consoantes nasais:
Consoante emitida com passagem do ar pela boca e pelas fossas nasais: cama, navio, lenha.

Encontro vocálico e encontro consonantal

Embora a estrutura silábica simples e mais habitual seja composta por uma consoante e por uma vogal, é possível ocorrer uma sucessão de vogais ou de consoantes na mesma palavra, originando uma sequência de sons vocálicos ou de sons consonantais. Essas sequências são chamadas de encontros vocálicos ou encontros consonantais.

Quais são os encontros vocálicos?

Um encontro vocálico é uma sequência de sons vocálicos numa palavra. Existem três tipos de encontros vocálicos: ditongo, tritongo e hiato.

Nos ditongos há o encontro de uma semivogal e de uma vogal na mesma sílaba:

  • flauta;
  • céu;
  • tranquilo;
  • quase;
  • outro;
  • lei;
  • mão;
  • mamãe;

Nos tritongos há o encontro de uma semivogal, de uma vogal e de outra semivogal na mesma sílaba:

  • iguais;
  • quaisquer;
  • Paraguai;
  • enxaguei;
  • saguões;
  • quão;

Nos hiatos há o encontro de duas vogais que não se encontram na mesma sílaba, mas sim em sílabas diferentes:

  • fiel;
  • piada;
  • sde;
  • moeda;
  • burocracia;
  • cooperar;
  • moinho;
  • ptico;

Saiba mais em: Encontro vocálico: ditongo, tritongo e hiato

Quais são os encontros consonantais?

Um encontro consonantal é uma sequência de duas ou mais consoantes numa palavra. Existem dois tipos principais de encontros consonantais: encontro consonantal perfeito e encontro consonantal imperfeito.

Nos encontros consonantais perfeitos as consoantes não se separam, permanecendo na mesma sílaba:

  • florista;
  • prato;
  • plástico;
  • pedra;
  • psicólogo;
  • cravo;
  • pneumático;

Nos encontros consonantais imperfeitos as consoantes se separam, ficando em sílabas diferentes:

  • almoçar;
  • pastas;
  • fortaleza;
  • objetivo;
  • advogado;
  • oposto;
  • verde;

Saiba mais em: Encontro consonantal: o que é?

Atualizado em
Flávia Neves
Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.