A língua portuguesa é um sistema de signos. Qualquer palavra que possua sentido pode ser considerada um signo linguístico:

  • computador;
  • criança;
  • livro;
  • azul;
  • felicidade;

Nos signos linguísticos ocorre a união do significante e do significado da palavra, formando um todo inseparável. Essa noção de signo foi criada pelo linguista Ferdinand de Saussure, o pai da linguística.

O que é o significado?

O significado é o conceito, ideia ou concepção que cada pessoa tem de uma determinada palavra.

O que é o significante?

O significante é uma imagem acústica, uma representação psíquica do som de uma palavra, ou seja, o reconhecimento mental desse som, sem que haja a necessidade de materialização desse som através da fala.

Características dos signos linguísticos

Os signos linguísticos apresentam duas características principais:

Arbitrariedade do signo

A união do significado e significante é arbitrária, não existindo nenhuma razão natural para essa associação É imotivada. A representação do conceito poderia ser, por isso, feita com qualquer significante.

Linearidade do significante

Os signos linguísticos são considerados apenas numa só dimensão. As letras e palavras sucedem-se em linha, umas atrás das outras.

Além dessas duas características principais, os signos linguísticos são, ao mesmo tempo, imutáveis e mutáveis:

Imutabilidade

Os falantes não escolhem os significantes, sendo ensinados pelos outros falantes da língua que já estabeleciam a relação entre significado e significantes anteriormente. É, assim, uma associação imposta, como uma herança cultural, proveniente dos hábitos linguísticos de cada língua.

Mutabilidade

Todas as línguas estão sujeitas a alterações ao longo do tempo. Esse processo é feito a longo prazo, sendo influenciado pelo uso social e coletivo da língua. Um indivíduo singular não consegue provocar alterações nos signos linguísticos. Essas alterações são importantes para que se preserve a continuidade da língua.