A crase é, na língua portuguesa, a contração de duas vogais iguais, sendo representada com acento grave. A contração mais comum é a da preposição a com o artigo definido feminino a (a + a = à). Existem outras contrações muito utilizadas, como as contrações da preposição a com os pronomes demonstrativos a, aquele, aquela e aquilo (a + aquele = àquele, a + aquela = àquela, a + aquilo = àquilo).

Exemplos:

  • Dei a indicação à senhora mas ela não a entendeu. (a + a = à)
  • Fui àquele serviço para resolver esse problema. (a + aquele = àquele)
  • Apenas dou a encomenda àquela funcionária. (a + aquela = àquela)
  • Refiro-me àquilo que aconteceu semana passada. (a + aquilo = àquilo)

Mais importante do que decorar regras de quando usar ou não usar crase, o correto uso da crase depende de um bom conhecimento estrutural da língua e de uma capacidade de análise do enunciado frásico, sendo importante compreender que não acorre crase se houver apenas a preposição a, ou apenas o artigo definido a ou apenas o pronome demonstrativo a. Para que haja crase, é preciso que haja uma sequência de duas vogais iguais, que sofrem contração, formando crase.

Uma forma fácil de verificar a existência ou não da crase em diversas situações é substituir o substantivo feminino por um substantivo masculino e verificar se haverá ou não a presença da preposição a contraindo com o artigo definido a.

Contração da preposição a com artigo definido feminino a: a + a = à
Contração da preposição a com artigo definido masculino o: a + o = ao

Exemplos:

  • Vou à praia.
  • Vou ao parque.
  • Vale a pena.
  • Vale o sacrifício.

A dúvida entre o uso ou não do acento indicador de crase ocorre frequentemente com substantivos e adjetivos que pedem a preposição a e com verbos cuja regência é feita com a preposição a, indicando a quem algo se refere, como: agradecer a, pedir a, dedicar a,…

Exemplos:

  • Aquele aluno nunca está atento à aula.
  • Suas atitudes são idênticas às de sua irmã.
  • Não consigo ser indiferente à falta de respeito dessa menina!
  • É importante obedecer às regras de funcionamento da escola.
  • As testemunhas assistiram à cena impávidas e serenas.


A utilização do acento grave como fator de transmissão de clareza na leitura ocorre em diversas expressões de modo ou circunstância:

  • Vou lavar a mão na pia.
  • Vou lavar à mão a roupa delicada.
  • Ele pôs a venda nos olhos.
  • Ele pôs à venda o carro.
  • Ela trancou a chave na gaveta.
  • Ela trancou à chave a porta.
  • Estudei a distância.
  • Estudei à distância.

Há crase

- Em diversas expressões adverbiais, locuções prepositivas e locuções conjuntivas: à noite, à direita, à toa, às vezes, à deriva, às avessas, à parte, à luz, à vista, à moda de, à maneira de, à exceção de, à frente de, à custa de, à semelhança de, à medida que, à proporção que,…

  • Ligo-te hoje à noite.
  • Ele está completamente à parte do grupo.
  • A funcionária apenas conseguiu a promoção à custa de muito esforço.
  • Meu filho mais velho está completamente à deriva: não estuda, não trabalha, não faz nada.

Nota: Pode ocorrer crase antes de um substantivo masculino desde que haja uma palavra feminina que se encontre subentendida, como no caso das locuções à moda de e à maneira de.

  • Decisões à Pedro Neves. (à maneira de Pedro Neves)
  • Estilo à Paulo Sousa. (à moda de Paulo Sousa)

- Antes da indicação exata e determinada de horas:

  • Meu filho acorda todos os dias às seis da manhã.
  • Chegaremos a Brasília às 22h.
  • A missa começará à meia-noite.

Nota: Com as preposições para, desde, após e entre, não ocorre crase.

  • Estou esperando você desde as seis horas.
  • Marcaram o almoço para as duas horas da tarde.

Não há crase

- Antes de substantivos masculinos:

  • Gosto de andar a pé.
  • Este passeio será feito a cavalo.
  • Será estipulado um tipo de pagamento a prazo.
  • Escreve a lápis, assim podemos apagar o que for preciso.

- Antes de verbos:

  • Não sei se ela chegou a falar sobre esse assunto.
  • Meu filho está aprendendo a cantar essa música na escola.
  • O arquiteto está começando a renovar essa casa.
  • Meu irmão se dispôs a ajudar no que fosse necessário.

- Antes da maior parte dos pronomes:

  • Desejamos a todos um bom fim de semana.
  • Você já pediu ajuda a alguém?
  • Dei todos os meus carrinhos a ele.
  • Refiro-me a quem nunca esteve presente nas reuniões.

Nota: Antes de alguns pronomes pode ocorrer crase.

  • Não entregamos o trabalho à mesma professora.
  • Eu pedi a fatura à própria gerente do estabelecimento.
  • Solicitei à senhora que não fizesse mais reclamações.
  • Esta é a reportagem à qual me referi.

- Em expressões com palavras repetidas (mesmo que essas palavras sejam femininas):

  • Estamos estudando as expressões mais usadas pelos falantes no dia a dia.
  • Gota a gota, minha paciência foi enchendo!
  • Preciso conversar com você face a face.
  • Por favor, permaneçam lado a lado.

- Antes de palavras femininas no plural antecedidas pela preposição a:

  • Este artigo se refere a pessoas que estão desempregadas.
  • A polêmica foi relativa a mulheres defensoras da emancipação feminina.
  • As bolsas de estudo foram concedidas a alunas estrangeiras.

Nota: Caso se especifique os substantivos femininos através da utilização do artigo definido as, ocorre crase, dada a contração desse artigo com a preposição a: a + as = às.

  • Este artigo se refere às pessoas que estão desempregadas.
  • A polêmica foi relativa às mulheres defensoras da emancipação feminina.
  • As bolsas de estudo foram concedidas às alunas estrangeiras.

- Antes de um numeral (exceto horas, conforme acima mencionado):

  • O número de concorrentes chegou a quinhentos e vinte e sete.
  • O hotel fica a dois quilômetros daqui.
  • O motorista conduzia acima de 180 km/h.

Uso facultativo da crase

- Antes de nomes próprios femininos:

  • Enviei cartas a Heloísa.
  • Enviei cartas à Heloísa.

Nota: Não ocorre crase em contexto formal e na nomeação de personalidades ilustres porque nestes casos, segundo a norma culta, não se usa artigo definido.

  • Em seu discurso sobre poesia, fez referência a Cecília Meireles.
  • A cerimônia foi em homenagem a Clarice Lispector.

- Antes da preposição até antecedendo substantivos femininos:

  • Não desistiremos, iremos até as últimas consequências.
  • Não desistiremos, iremos até às últimas consequências.

- Antes de pronomes possessivos:

  • Na festa de Natal, fizeram referência a minha falecida mãe.
  • Na festa de Natal, fizeram referência à minha falecida mãe.

Casos específicos (sujeitos a verificação)

- Antes de nomes de localidades: Apenas ocorre crase antes de nomes de localidades que admitem a anteposição do artigo a quando regidos pela preposição a. Uma forma fácil de verificar se há anteposição do artigo a é substituir a preposição a por de ou em.

Contração da preposição a com artigo definido feminino a: a + a = à
Contração da preposição de com artigo definido feminino a: de + a = da
Contração da preposição em com artigo definido feminino a: em + a = na

Exemplos:

  • Vou à Bahia no próximo mês.
  • Vim da Bahia.
  • Estou na Bahia.
  • Vou a Brasília no próximo mês.
  • Vim de Brasília.
  • Estou em Brasília.

Nota: Se houver adjunto adnominal que determine a cidade, ocorre crase.

  • Cheguei à Brasília dos políticos corruptos.
  • Regressei à Curitiba de minha infância.

- Antes da palavra terra: Ocorre crase apenas com o sentido de Planeta Terra e de localidade, se esta estiver determinada. Com o sentido de chão, estando indeterminado, não ocorre crase.

  • Fui à terra onde meu pai nasceu. (localidade identificada)
  • O astronauta regressou à Terra trinta dias após sua partida. (Planeta Terra)
  • Os marinheiros chegaram a terra de madrugada. (chão indeterminado)

- Antes da palavra casa: Ocorre crase apenas quando a palavra casa está determinada com um adjunto adnominal. Sem a determinação de um adjunto adnominal não há crase.

  • Regresso a casa sempre que posso. (Sem adjunto adnominal)
  • Regresso à casa de meus pais sempre que posso. (Com adjunto adnominal)