Ironia é uma figura de linguagem na qual é dito, intencionalmente, o oposto do que se pretende transmitir. Revestida de um humor sutil, a ironia tem como objetivo a ridicularização e desvalorização de alguém ou de uma situação.

Com a correta entonação, o falante sugere quais termos estão sendo usados ironicamente, demonstrando ao meu tempo graça e irritação, bem como desagrado com uma situação que pretende satirizar e depreciar. Através da ironia é possível enfatizar algo passível de ser criticado e comentado.

Para que a ironia cumpra sua função e a mensagem subliminar seja entendida, é essencial que haja um contexto que possibilite a compreensão dos termos contraditórios e uma correta entonação, para que seja dada ênfase ao termo ironizado.

Exemplos de ironia:

  • Quem foi o inteligente que preencheu o formulário com erros?
  • Meu filho é um santinho, apenas teve três suspensões desde o início das aulas.
  • Foi você que quebrou a jarra? Que belo serviço!
  • Ela foi tão simpática que eu só queria ir embora bem rápido.
  • Oba, vamos ter que refazer todo o trabalho da semana passada!

Exemplos de ironia na literatura e na música:

  • “A excelente dona Inácia era mestra na arte de judiar crianças.” (Monteiro Lobato)
  • “Moça linda bem tratada,/três séculos de família,/burra como uma porta: um amor!” (Mário de Andrade)
  • “Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis...” (Machado de Assis)
  • “Uma moça nossa vizinha dedilhava admiravelmente mal ao piano alguns estudos de Lizt”. (Murilo Mendes)

Fique sabendo mais!
Ironia tem sua origem na palavra em latim ironia, pelo grego eironeía, que significa o ato de fingir desconhecer a resposta para uma dada pergunta. Pode significar também dissimulação e disfarce.

Atualizado em
Flávia Neves
Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.