Aspas são um sinal de pontuação cuja principal finalidade é destacar alguma parte de um texto, distinguindo-a do restante. Esse destaque pode se dever a várias razões. Assim, as aspas são usadas:

- No início e no fim de citações ou transcrições de outros textos.

Exemplo de uma citação:

  • Como afirmou Descartes: “Penso, logo existo”.

Exemplo de uma transcrição:

  • “Agora eu quero contar as histórias da beira do cais da Bahia.” (Jorge Amado, Mar Morto, 1936.)

- No início e no fim de palavras e expressões que não se enquadram na norma padrão e culta do português, como estrangeirismos, neologismos, arcaísmos, gírias e expressões populares.

Exemplos:

  • Faremos tudo “asinha”.
  • Meu filho é um verdadeiro “cibernauta”, vive na Internet.
  • Os alunos já receberam o “feedback” das apresentações?

- No início e no fim de palavras e expressões que se pretendem destacar, conferindo-lhes ironia ou ênfase.

Exemplo de palavra irônica:

  • Que “belo” trabalho! Você conseguiu estragar tudo o que já estava feito!

Exemplo de palavra enfatizada:

  • O filho levou um “não” redondo do pai.

- No início e no fim de nomes de obras literárias ou artísticas, como títulos de livros, de obras de arte, de filmes, de músicas,... Nestes casos, as aspas podem ser substituídas por uma escrita em itálico, levemente inclinada para a direita.

Exemplos:

  • Estamos lendo e estudando “Capitães de Areia” nas aulas de português.
  • Ver ao vivo “Guernica” de Picasso foi sensacional.

Uso de aspas simples

Aspas simples deverão ser usadas quando a parte do texto que se quer destacar com aspas já se encontra dentro de um trecho destacado com aspas.

Exemplo:

  • O aluno explicou à professora o que aconteceu: “Ela foi chamada de 'quatro-olhos' e ficou muito triste”.