Parlendas são versos infantis ritmados e repetitivos, normalmente breves e com rimas. São versos simples, divertidos e de fácil memorização. São criações anônimas que fazem parte do folclore brasileiro e passam de geração para geração, transmitindo a cultura oral popular. 

As parlendas contribuem para o desenvolvimento da memorização, da comunicação, da socialização e do raciocínio lógico. São usadas em acontecimentos cotidianos, em brincadeiras de roda, em jogos, em decisões, em histórias ou apenas por diversão.

Exemplos de parlendas do folclore brasileiro

Um, dois, feijão com arroz
Três, quatro, feijão no prato
Cinco, seis, falar inglês
Sete, oito, comer biscoitos
Nove, dez, comer pastéis.

Dedo mindinho, 
Seu vizinho, 
Pai de todos, 
Fura bolo, 
Mata piolho.

Uni duni tê
Salamê min guê
O sorvete colorido
O escolhido foi você!

Batatinha quando nasce, 
Se esparrama pelo chão, 
Menininha quando dorme, 
Põe a mão no coração.

Sol e chuva,
Casamento de viúva.
Chuva e Sol,
Casamento de espanhol.

Cadê o toucinho que estava aqui?
O gato comeu.
Cadê o gato?
Foi pro mato.                    
Cadê o mato?                                             
O fogo queimou.
Cadê o fogo?
A água apagou.
Cadê a água?
O boi bebeu.
Cadê o boi?
Foi carregar trigo.
Cadê o trigo?
A galinha espalhou.
Cadê a galinha?
Foi botar ovo.
Cadê o ovo?
O frade comeu.
Cadê o frade?
Tá no convento.

O macaco foi à feira,
não sabia o que comprar. 
Comprou uma cadeira 
pra comadre se sentar.
A comadre se sentou,
a cadeira esborrachou.
Coitada da comadre,
foi parar no corredor.

Corre cutia, na casa da tia.
Corre cipó, na casa da avó.
Lencinho na mão, caiu no chão.
Moça bonita, do meu coração ...
Um, dois, três!

Hoje é domingo, pede cachimbo
Cachimbo é de barro, dá no jarro
O jarro é fino, dá no sino
O sino é de ouro, dá no touro
O touro é valente, dá na gente
A gente é fraco, cai no buraco
O buraco é fundo, acabou-se o mundo!

Santa Luzia
Passou por aqui
Com seu cavalinho
Comendo capim.
Santa Luzia
Que tinha três filhas:
Uma que fiava,
Uma que tecia,
Uma que tirava
O cisco que havia.

Pedrinha rolou,
Pisquei pro mocinho,
Mocinho gostou.
Contei pra mamãe,
Mamãe nem ligou.
Contei pro papai,
Chinelo cantou.

Eu sou pequena 
Da perna grossa. 
Vestido curto, 
Papai não gosta.

Veja também: 18 Trava-línguas do Folclore Brasileiro e O que é um trava-língua?