Na poesia, as rimas se caracterizam pela repetição de sons no final de dois ou mais versos, conferindo musicalidade ao poema. As rimas podem ser classificadas quanto à fonética, quanto ao valor, quanto à acentuação e quanto à posição no verso e na estrofe.

Classificação quanto à fonética

Rima perfeita ou consoante: Em que há correspondência total de sons, havendo repetição tanto dos sons vocálicos como dos sons consonantais.

  • falado/cantado;
  • presente/ausente;
  • particularidade/dificuldade.

Rima imperfeita: Em que apenas há correspondência parcial de sons. Pode ser toante ou aliterante.

Rima toante (ou assonante): Em que há apenas a repetição dos sons vocálicos.

  • boca/moça;
  • pálida/lágrima;
  • plátano/cálamo.

Rima aliterante: Em que há apenas a repetição dos sons consonantais.

  • fez/faz;
  • lata/luto;
  • medo/moda.

Classificação quanto ao valor

Rima pobre: Quando as palavras que rimam pertencem à mesma classe gramatical.

  • gato/pato;
  • correr/fazer;
  • amarelo/singelo.

Rima rica: Quando as palavras que rimam pertencem a diferentes classes gramaticais.

  • noz/veloz;
  • altar/desenhar;
  • pente/surpreendente.

Rima rara ou preciosa: Quando as palavras que rimam possuem terminações incomuns, pouco utilizadas, como combinações entre verbos e pronomes.

  • estrelas/vê-las;
  • mandala/dá-la;
  • parabéns/vinténs;
  • profícuo/conspícuo.

Classificação quanto à acentuação

Rima aguda (ou masculina): Que ocorre entre palavras oxítonas.

  • céu/chapéu;
  • cantor/pintor;
  • coração/animação.

Rima grave (ou feminina): Que ocorre entre palavras paroxítonas.

  • cedo/medo;
  • agora/embora;
  • metade/amizade.

Rima esdrúxula: Que ocorre entre palavras proparoxítonas.

  • célula/cédula;
  • armário/salário;
  • propósito/leucócito.

Classificação quanto à posição no verso

Rima externa: Que ocorre no fim do verso.

“E em louvor hei de espalhar meu canto
 E rir meu riso e derramar meu pranto
 (Vinícius de Moraes)

Rima interna ou coroada: Que ocorre no interior do verso.

“A bela bola do Raul
 Bola amarela” 
 (Cecília Meireles)

Classificação quanto à posição na estrofe

Rimas alternadas (ou cruzadas): Combinam-se alternadamente, seguindo o esquema ABAB.

“O meu amor não tem
 importância nenhuma.
 Não tem o peso nem
 de uma rosa de espuma!”
 (Cecília Meireles)

Rimas emparelhadas (ou paralelas): Combinam-se de duas em duas, seguindo o esquema AABB.

“Vagueio campos noturnos
 Muros soturnos
 Paredes de solidão
 Sufocam minha canção.
 (Ferreira Gullar)

Rimas interpoladas (ou intercaladas): Combinam-se numa ordem oposta, seguindo o esquema ABBA.

“De tudo, ao meu amor serei atento
 Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
 Que mesmo em face do maior encanto
 Dele se encante mais meupensamento.”
 (Vinícius de Moraes)

Rimas encadeadas: Quando as palavras que rimam se situam no fim de um verso e no início ou meio do outro.

“Salve Bandeira do Brasil querida
 Toda tecida de esperança e luz
 Pálio sagrado sobre o qual palpita
 A alma bendita do país da Cruz”
 (Francisco de Aquino Correia)

Rimas mistas (ou misturadas): Quando apresentam outras combinações e posições na estrofe, sem esquemas fixos.

“Vou-me embora pra Pasárgada
 Vou-me embora pra Pasárgada
 Aqui eu não sou feliz
 Lá a existência é uma aventura
 De tal modo inconsequente
 Que Joana a Louca de Espanha
 Rainha e falsa demente
 Vem a ser contraparente 
 Da nora que nunca tive.
 (Manuel Bandeira)

Versos brancos (ou soltos): São versos que não rimam com nenhum outro verso.

“Uma palavra caída
 das montanhas dos instantes
 desmancha todos os mares
 e une as terras mais distantes…”
 (Cecília Meireles)