A polissemia é a capacidade que uma palavra tem de apresentar diferentes significados, conforme o contexto em que é utilizada. A polissemia ocorre na maior parte dos vocábulos.

Vocábulos polissêmicos ou palavras polissêmicas são, assim, palavras que apresentam mais do que um significado.

Exemplos de polissemia

Asa: membro anterior das aves e suporte para segurar um objeto
(com origem comum na palavra em latim ansa,ae)

Astro: corpo celeste e pessoa famosa
(com origem comum na palavra em grego ástron)

Bala: projétil de arma de fogo e guloseima de açúcar
(com origem comum na palavra em francês balle)

Cabeça: parte do corpo humano e líder do grupo
(com origem comum na palavra em latim capitia)

Coluna: espinha dorsal e pilar de sustentação
(com origem comum na palavra em latim columna)

Dama: senhora da nobreza e peça de jogos
(com origem comum na palavra em francês dame)

Gato: animal mamífero e pessoa atraente
(com origem comum na palavra em latim cattus)

Letra: símbolo de escrita e documento substituto de dinheiro
(com origem comum na palavra em latim littera)

Nota: cédula de dinheiro e sinal que representa um som musical
(com origem comum na palavra em latim nota,ae)

Partir: quebrar e ir embora
(com origem comum na palavra em latim partire)

A polissemia ocorre devido a vários motivos, sendo os principais:

  • O uso de linguagem com sentido figurado, com metáforas e metonímias;
  • A tradução de linguagem específica para linguagem corrente;
  • A influência de estrangeirismos e neologismos.

A polissemia está relacionada com a semântica, a parte da gramática que estuda o significado das palavras e a interpretação desse significado.

Polissemia e monossemia

Polissemia e monossemia são conceitos contrários.

Na polissemia, uma palavra apresenta diversos significados.
Na monossemia, uma palavra apresenta apenas um significado, permitindo uma leitura única.

Exemplos de palavras monossêmicas:

  • estetoscópio (instrumento médico);
  • eneágono (polígono com nove ângulos);
  • vulcanologista (especialista em vulcanologia).

Palavras monossêmicas existem em menor número e são, habitualmente, muito específicas, se referindo a aspectos muito particulares da realidade, como por exemplo as palavras técnicas.

Polissemia e homonímia

A diferença entre polissemia e homonímia é de difícil definição e tem sido alvo de muitos estudos, não havendo consenso entre linguistas.

A diferenciação clássica é que a polissemia se refere a uma só palavra com diversos significados, possivelmente relacionáveis entre si, e que a homonímia se refere a duas palavras diferentes, com origens e significados distintos e independentes, mas que apresentam a mesma ortografia e pronúncia.

Fazer essa diferenciação na prática não é fácil. Embora levante muitas questões e discussões entre os estudiosos da língua, para o falante é apenas importante compreender que uma palavra pode apresentar diferentes significados e que palavras diferentes, com significados diferentes, podem apresentar uma forma igual.

Exemplos de homonímia

Manga
fruto da mangueira (com origem na palavra malaiala manga)
parte da roupa (com origem na palavra latina manica)

Grama
relva (com origem na palavra em latim gramen)
unidade de massa (com origem na palavra grega grámma)

Pena
revestimento do corpo das aves (com origem na palavra latina penna)
castigo, sentimento ou sofrimento (com origem na palavra grega poinê)

Bons dicionários apresentam no mesmo verbete os casos de polissemia e em verbetes distintos os casos de homonímia.

Saiba mais sobre homonímia em: Palavras homônimas.

Atualizado em
Flávia Neves
Flávia Neves
Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.