O objeto direto e o objeto indireto fazem parte dos complementos verbais das frases, completando o sentido de verbos transitivos diretos e indiretos que, sozinhos, possuem significado incompleto.

Objeto direto

O objeto direto completa o sentido de um verbo transitivo direto, sem a presença obrigatória de uma preposição. Indica o paciente da ação verbal, ou seja, o elemento que sofre a ação verbal. 

Verbos transitivos diretos são verbos que necessitam de um complemento que conclua o seu sentido, respondendo principalmente às perguntas o quê? ou quem?. Não necessitam de preposição para estabelecer regência verbal.

Objetos diretos são representados principalmente por: substantivos, pronomes substantivos, pronomes oblíquos átonos e orações subordinadas substantivas objetivas diretas.

Objeto direto representado por um substantivo:

  • Mariana comeu o quibe.
  • Mirim esperava a irmã.

Objeto direto representado por um pronome substantivo:

  • Guarde isto com muito cuidado.
  • Os pais fizeram tudo para a festa da filha.

Objeto direto representado por um pronome oblíquo átono (o, a, os, as, me, te, se, nos, vos):

  • O primo deixou-a sozinha.
  • Ela ama-o muito.

Objeto direto representado por uma oração subordinada substantiva objetiva direta:

  • Quero que você seja meu marido.
  • Os funcionários não sabiam que era dia de despedimentos.

Objeto direto preposicionado

O objeto direto pode vir precedido da preposição a:

  • quando se refere a um substantivo próprio;
  • quando se refere a um pronome oblíquo tônico;
  • quando se refere a um pronome indefinido;
  • quando se refere ao pronome relativo quem;
  • quando se refere aos numerais ambos e ambas;
  • quando se encontra antecipado na frase, sendo uma construção comum em provérbios;
  • quando se pretende evitar ambiguidade na leitura da frase.

Exemplos de objeto direto preposicionado:

  • Ofenderam a mim, a Pedro e a todos.
  • Eu tenho um amigo a quem perguntar isso.
  • O diretor contratou a ambas.
  • Ao pai o filho ama.

Objeto direto pleonástico

Objeto direto pleonástico ocorre quando há uma repetição e intensificação do objeto direto, para que seja mais expressivo, ou seja, quando o objeto direto se encontra no início da oração, sendo repetido depois do verbo através de um pronome oblíquo átono.

  • Aquela música, ouvi-a muito na minha juventude.
  • Os presentes, a Marília recebeu-os.

Nota: Por vezes, verbos intransitivos podem aparecer com objetos diretos, atuando como verbos transitivos diretos:

  • Durante todo o tempo chorei lágrimas de felicidade.
  • Ontem choveu uma chuva grossa e constante.

Objeto indireto

O objeto indireto completa o sentido de um verbo transitivo indireto, com a presença obrigatória de uma preposição. Indica o paciente da ação verbal, ou seja, o elemento ao qual se destina a ação verbal. 

Verbos transitivos indiretos são verbos que necessitam de um complemento que conclua o seu sentido, respondendo principalmente às perguntas de quê?, para quê?, de quem?, para quem?, em quem?, entre outras. Necessitam obrigatoriamente de preposição para estabelecer regência verbal.

Objetos indiretos são representados principalmente por substantivos, pelos pronomes oblíquos lhe e lhes e por orações subordinadas substantivas objetivas indiretas.

Objeto indireto representado por um substantivo:

  • Eu duvidei da opinião do garoto.
  • O aluno respondeu à pergunta da professora.

Objeto indireto representado por um pronome oblíquo:

  • Enviei-lhes toda a correspondência.
  • Afasta o cachorro de mim.

Objeto indireto representado por uma oração subordinada substantiva objetiva indireta:

  • O diretor da empresa necessita de que todos os colaboradores estejam presentes na reunião.
  • A professora insistiu muito em que os alunos tivessem aulas de recuperação.

Objeto indireto não preposicionado

Alguns objetos indiretos podem aparecer sem preposição, quando são representados por um pronome oblíquo (me, te, lhe, nos, vos, lhes) ou pelo pronome reflexivo se. Isso ocorre porque esses pronomes representam as construções: a mim, a ti, a ele, a nós, a vós, a eles e a si.

  • O juiz declarou-me culpada.
  • Teu pai deu-te uma palmada.

Objeto indireto pleonástico

Objeto indireto pleonástico ocorre quando há uma repetição e intensificação do objeto indireto, para que seja mais expressivo, ou seja, quando o objeto indireto se encontra no início da oração, sendo repetido depois do verbo através de um pronome oblíquo.

  • Aos meus filhos, dei-lhes muito carinho.
  • Ao funcionário, pedi-lhe um esclarecimento.

Objeto indireto X Adjunto adverbial

Para que não haja confusão entre o objeto indireto e adjunto adverbial, preste atenção:

  • Se completar o sentido de um verbo, é objeto indireto.
  • Se apresentar informação acessória a um verbo, sendo portanto dispensável, é adjunto adverbial.